Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007

Besançonne-Louise

foto de Anna Behm/escultura de Fernando Botero

 

   A minha recente e breve incursão pelas Antilhas francesas, de que Marie-Galante e o restante arquipélago de Guadeloupe fazem parte, serviu-me também, como sempre tanto me entusiasma fazer, para ir revisitando ou mesmo descobrindo a História. Na circunstância, desta terra de Arauaques, gente índia, aguerrida, que povoou todo o norte da América do Sul e muitas das ilhas deste imenso Mar das Caraíbas e que soçobrou às mãos da saga desbravadora e à força de devastadoras armas dos conquistadores europeus. Tanto de espanhóis como de franceses, ingleses ou holandeses.
   Depois de ter chegado bem cedo a Grand-Bourg e alugado um automóvel – se é que aquilo algum dia tivera merecido tal nome –, não perdi tempo a meter-me a caminho de Saint-Louis, dado que o último ferry para Guadeloupe, onde me tinha baseado, partia às quatro e um quarto da tarde.
   Avistei-a de repente, logo quando fazia a primeira curva à saída da cidade. Um corpo descomunal, paquidérmico mesmo, quase no meio da estrada, com o indicador da mão direita estendido, em repetidos movimentos de cima para baixo, parecendo querer livrar-se da cinza de cigarro inexistente, e que, se eu ousasse, me impediria claramente de progredir a marcha do carro.
   A minha primeira impressão sugeriu-me aquelas meninas de pé-de-estrada, bem nutridas e com um exuberante pneu espartilhado a custo por debaixo de vestidos de algodão sempre colados ao corpo e cronicamente subidos, à beira da pré-reforma que, a troco de uma compensação discutida muita das vezes ao cêntimo, costumam fazer uns favores a camionistas com os olhos sempre flamejantes de testosterona e a palavra sexo a tatuar-lhes a testa de lés-a-lés.
   Algo me avisou, entretanto – talvez o meu subconsciente, mais traquejado em lucubrações filosóficas sobre questões de tamanha delicadeza –, que aqui não deveria haver disso, apesar da enorme bolsa em pele de vaca que trazia à tiracolo poder indicar precisamente o oposto.
   Ao mesmo tempo que desviei repentinamente o volante para o lado esquerdo, a fim de não ser abalroado por aquela mancha a que os raios de sol matinais emprestavam um ar de multifacetadas tonalidades, consegui manobrar os travões de tal forma que parei precisamente a seu lado.
   – Besançonne-Louise, anchantêe! – Avançou ela de pronto, acabada de se instalar com descarado alarido no carro, rasgando um sorriso de orelha a orelha, e atravessando o seu braço direito na minha direcção, mesmo por cima daqueles fartos seios que se encavalitavam já em cima do tabliê, quase se comprimindo contra o pára-brisas, para que assim pudesse, não sem alguma teatralidade, entregar-me a sua mão gorda e papuda, para um passou-bem de inesperada cortesia.
   – Sanluí, silvuplé! – Disse-me ela sem me dar espaço sequer para abrir a boca.
É claro que senti uma enorme dificuldade em explicar-lhe, em francês, a uma crioula que apesar da descomunalidade do seu corpo, seguramente dando três do meu, mas que começava a reparar até que tinha uma cara simpática, bonita mesmo, de pele em tom chocolate acetinado, de que não era taxista e de que o meu carro, apesar de alugado e de eu ser claramente adepto dos desígnios da Revolução Francesa, não estava ao serviço da comunidade.
   Depois de toda a minha atrapalhada argumentação, deu uma estridente gargalhada que fez estremecer de forma assustadora todo aquele seu arcaboiço – mais o carro –, olhou-me com uns olhos doces de amêndoa, presenteando-me com uma enorme palmada no ombro que eu, denotando habitualmente algumas dificuldades na retroversão de linguagem gestual, não consegui deixar de perceber como um inequívoco «vamos lá para Saint-Louis e deixa-te de merdas!».
    E arranquei. No fim de contas, conclui eu resignado, para quê armar-me em difícil se ia para Saint-Louis mesmo?

publicado por jdc às 09:51
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Myanmar Livre

. As Palavras Escapam-se-me...

. O Suaíli

. Assim Não Quero Ser!

. A Poesia do Silêncio

. El Tigre

. Kopi Luwak

. Diálogos à solta (4)

. É agora, Zé!

. O Que é o TENORI-ON

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds