Segunda-feira, 6 de Agosto de 2007

À espera do deslize

foto de Joaquim Antunes

abut

 

   Na Assembleia-Geral que elegeu o engenheiro Pompílio como 23º presidente do glorioso Imortal Clube, toda a gente o ouviu prometer que nesse ano é que era.

   «Chega de tanto jejum, basta de tantos anos de infortúnio!», proclamava categórico, naquele seu inflamado discurso de posse, perante a massa associativa que o vitoriava.

   «Deus não pode ser tão injusto para connosco», recordam-se de o ouvir dizer ainda hoje, muitos daqueles que estavam lá presentes nessa jornada memorável.

   A poeira entretanto assentou, a euforia passou, e não falta agora quem lhe aponte o dedo. Principalmente o Almeidinha, o candidato derrotado, que na noite da eleição, de bloco em punho, foi anotando todas as promessas que o engenheiro fazia. Para o que desse e viesse.

   Apesar da boa-vontade demonstrada por Pompílio nas contratações que fez com dinheiro saído do seu próprio bolso, os reforços que foram chegando à equipa nesse ano (Jandir, Rubem, Denildo, Rimaldo, Juskoviak, Krotchenko e Lindinho), não trouxeram mais-valia substancial à produtividade do plantel que, no dizer amargurado de muitos adeptos que entre o angustiado e o boquiaberto ainda persistiam em assistir aos inqualificáveis jogos do seu querido clube, se situava «nitidamente abaixo de cão».

   Degrau a degrau, o Imortal foi-se estatelando na lama da mediocridade, afundando no pântano da inoperância, sepultando, cada vez mais irremediavelmente, no poço da adjacência.

   De chicotada psicológica em chicotada psicológica foram caindo, sob a espada democliana do engenheiro Pompílio, os treinadores incompetentes, os guarda-redes comprovadamente aselhas, os defesas inábeis ou mesmo vesgos, os médios-ala com a mania de pombos-correios e os avançados com mais de 45.

   Mudou-se radicalmente a estratégia e institui-se uma outra filosofia no grupo. Rejuvenesceu-se a equipa só com filhos da terra: o João Luís, o Artur, o Fintas, o Ricardo, o Escadote, o Neto, o Leite, o Primor e sei lá bem quem mais. Até a Maria Armanda, que sempre fizera tudo por dinheiro e de quem se esperava qualquer coisa menos um nobre gesto de altruísmo, se prontificou a dar uma ajuda como psicóloga da equipa.

   No horizonte perspectivam-se agora melhores dias. Para o clube e, concomitantemente, para o engenheiro Pompílio, seu presidente.

   Mas não se pense porém que tudo são rosas. Não, porque o Almeidinha, qual abutre impiedoso, qual milhafre implacável, continua vigilante à espera do deslize definitivo do engenheiro. O tal erro fatal que há-de conduzir o crónico opositor finalmente aos comandos do Imortal.

publicado por jdc às 21:31
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Myanmar Livre

. As Palavras Escapam-se-me...

. O Suaíli

. Assim Não Quero Ser!

. A Poesia do Silêncio

. El Tigre

. Kopi Luwak

. Diálogos à solta (4)

. É agora, Zé!

. O Que é o TENORI-ON

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds