Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007

O avião

     Tinha eu onze para doze anos quando, naquelas manhãs de sábado em que se acorda cheio de inspirações, decidi que o melhor seria eu fazer um avião. Mas para voar a sério.
     Influenciado talvez pelas histórias em quadradinhos do Cavaleiro Andante, do Falcão ou, muito provavelmente, do Mundo de Aventuras, resolvi iniciar os planos. Coisa modesta, pois acreditava que só com tecnologia simples é que poderia levantar voo, planar e aterrar. Mesmo assim, demorou-me uma semana a elaborar os desenhos, a fazer umas consultas, a conceber o projecto. O que, devo confessá-lo, ser demais para a minha reconhecida paciência. E tudo, obviamente, no mais dos completos segredos.
     No sábado seguinte, por volta das dez e meia, saí de casa e fui chamar o Assis, o meu assistente.
     — Tu estás mas é maluco, completamente chanfrado! — disse-me ele, posto perante os esquemas, com aquele sorriso de incrédulo e ar bonacheirão, com que costumava brindar as minhas cristalinas ideias e os meus mais arrojados projectos.
     — É simples, pá! — explicava-lhe eu, sentados no paredão do jardim, em frente à igreja do Espírito Santo. — O corpo e as asas é tudo em madeira, feitos com aquelas ripas das caixas de fruta do pai do Zé Maria. Pode até pôr-se um bocado de plástico na frente, a fazer de pára-brisas, que é para o piloto não levar com o vento na cara e perder a visibilidade. Estás a ver aqui o desenho? O motor é uma ventoinha igual àquelas do Cine-Arcos que costumam mandar o fresquinho para as cadeiras. Arranca daqui de cima, do paredão, e vai aterrar ali em baixo, no Seixal da Valeta. Se tudo correr como o previsto, consegue pousar mesmo no meio do Poço do Caldeirão, que tem aquela areia toda para amortecer.
     — Mas isto é muito a pique, que diabo! — exclamava-me o Assis, olhando lá para o fundo, mas já angariado para o empreendimento. — E quem vai ser o piloto?
     — É o Hilário, o irmão do Zé Maria, que é mais novo e muito mais leve que nós! — respondia-lhe eu, dando-lhe, na prontidão das minhas certezas, a tranquilidade que as suas muitas dúvidas exigiam.
     — E as rodas? Faltam aqui as rodas!
     — Tens toda a razão! Sabes que não tinha pensado nesse pormenor?
     — Pois! É que sem rodas o rapaz é capaz de ter problemas na aterragem.
     — Se não se arranjarem rodas vai mesmo à hidroavião. Como ali há tanta água!...
     — Mas olha que o moço ainda não sabe nadar!
     — E não sabe andar de bicicleta?
     — Sabe! Nadar é que não!
     — Ó porra, quem sabe andar de bicicleta, aprende a nadar num instantinho!...
     — Também é verdade!
     No dia seguinte, depois de acabada a missa das dez, já depois de eu ter ido fazer umas diligências e novamente sentados no paredão do Jardim, diz-me o Assis:
     — Mas há aqui mais um problema...
     — E qual é? — perguntei eu, já a ficar furioso por ver que me tinha escapado qualquer outro pormenor, daquelas ninharias insignificantes.
     — É que o padre não vai deixar!
     — Deixar o quê?
     — Levantar voo daqui, do paredão!
     — Isso é que era bom! Eu peço ao meu tio, que é presidente da Câmara.
     — Só se for isso! — dizia-me o Assis, já mais convencido. — Mas estou a lembrar-me de outra coisa...
     — O que é agora, Assis, o que é?
     — Como é que tu vais arranjar as caixas de fruta para fazermos o avião, se estás zangado com o Zé Maria?
     — Tens razão!
     — E não te zangaste por ele te dizer, com aquele cabedal todo, que te dava nas trombetas se pusesses o irmão a pilotar o avião?
     — Pois é! Então o melhor é fazermos um submarino de folha, que eu dou-me bem com o Nelo Latoeiro. Até já tenho os planos e tudo.
     — Mas olha que o Hilário não sabe nadar...
     — Também não é ele que vai a pilotar!
     — Então? És tu?
     — Era o que mais faltava! Quem vai és tu, que és o meu assistente e tens um fôlego bestial, pá!

publicado por jdc às 16:18
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2007

Etiqueta

publicado por jdc às 09:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007

Perpétua para general de Pinochet


   Vinte anos depois do cobarde assassinato de 12 jovens (todos eles com menos de 30 anos) pertencentes à Frente Patriótica Manuel Rodriguez, que lutava contra a ditadura de Pinochet, perpetrado pela CNI, a secreta chilena entretanto extinta, o seu director e responsável directo por essas execuções sumárias – o general na reserva Hugo Salas Wenzel -, viu ontem a sua sentença de prisão perpétua confirmada pelo Supremo Tribunal do Chile.

   O que se passou?

   Em 6 de Setembro de 1986, a Frente Patriótica Manuel Rodriguez levou a cabo um atentado que tinha como objectivo eliminar fisicamente Augusto Pinochet. Apesar de fracassada, esta acção viria a provocar a morte a cinco elementos da segurança do ditador, o que fez desencadear uma operação de verdadeira caça ao homem (mais tarde chamada de Operação Albânia) tendente a capturar e matar os responsáveis.
   Assim, os 12 elementos da FPMR estiveram durante meses sob forte vigilância da secreta chilena, que punha Pinochet ao corrente de todas as suas diligências, tendo-o, inclusivamente, informado – e isso ficou provado em tribunal – de todos os detalhes das operações de busca até às últimas horas que precederam o massacre.
   Segundo consta do processo, o general agora condenado, soube com uma semana de antecedência que a unidade antiterrorista da CNI preparava esta operação contra os dirigentes da FPMR e a sua ordem foi a de eliminar sumariamente quem fosse detido.
Os militantes da FPMR acabaram por ser interceptados e mortos a sangue frio entre 15 e 16 de  Junho de 1987, naquilo que ficou designado pela «Matança de Corpus Christi».
   Cinco das vítimas foram emboscadas e mortas em lugares diversos da capital, enquanto que as sete restantes eram detidas e levadas para o quartel central da secreta, aguardando a ordem do director nacional (general Salas Wenzel) para serem eliminadas.
Chegada a ordem, esses 7 elementos foram levados para uma casa, preparada com alguns dias de antecedência para realizar a operação, tendo sido distribuídos por diversas divisões e, de imediato, assassinados com armas de fogo.
  
   Para além do general, foram ainda condenados o chefe executivo da CNI, Álvaro Corbalán, a 15 anos de prisão, e a 10 o ex-oficial de Carabineiros Ivan Quiroz. Outros 12 agentes envolvidos no massacre foram condenados a penas que vão dos 5 aos 10 anos de cadeia.
  
   Os 12 elementos da Frente Patriótica Manuel Rodriguez assassinados em 1987 foram: Ignacio Valenzuela Pohorecky, Patricio Acosta Castro, Julio Guerra Olivares, Wilson Henríquez Gallegos, Juan Henríquez Araya, Patricia Quiroz Nilo, José Valenzuela Levy, Esther Cabrera Hinojosa, Ricardo Rivera Silva, Elizabeth Escobar Mondaca, Manuel Rivera Calderón y Ricardo Silva Soto.
  
   O que se lamenta, o que eu lamento no meio de tudo isto, é que o ditador Pinochet – o primeiro e maior responsável por esta ignóbil situação - tenha escapado incólume aos efeitos implacáveis da justiça. Até nisso a morte continuou a ser sua aliada.
  
(Fonte: La Nación, edição de hoje)
  
publicado por jdc às 15:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Só barba

publicado por jdc às 12:43
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

Ai Grécia, Grécia

  

   Enquanto nos arremetemos com veemência contra o aquecimento global, pasmamos com as notícias que nos dão conta das bruscas mudanças climáticas, enquanto nos revoltamos contra a sociedade do desperdício, bradamos aquidelreis pelo paulatino desaparecimento da floresta amazónica, proclamando, em paralelo, hossanas e bem–aventuranças ao protocolo Kioto, agarrando-nos dessa forma àquilo que pensamos ser a última esperança para que esta bola enorme, que é o nosso mundo, não estoure de vez e entretendo–nos a fazer aquilo que está ao alcance das nossas mãos – pilhas no pilhão, vidros no vidrão –, para ficarmos de bem com as nossas consciência, a Terra arde, a água esvai–se, o verde desaparece e com eles o oxigénio que nos dá vida.
   A Grécia consome-se diante dos olhos da nossa impotência: nos dois primeiros dias foram 63 pessoas que pereceram, 180 mil hectares devorados pelas chamas, centenas, se não milhares de pessoas na mais exasperante ruína, com os seus haveres destruídos.
Se é fogo posto, se são causas naturais ou se é um misto de cada coisa, são questões neste momento pouco relevantes para uma imensa tragédia que, tocando agora aos gregos, amanhã a nós, aos americanos, aos espanhóis, australianos ou a quem quer que seja, necessita de sérias e urgentes reflexões a nível global para que se evite que um dia destes, ao acordarmos, só restem cinzas.
publicado por jdc às 17:04
link do post | comentar | favorito

Coitado!...

      
  
   A princípio fiquei chocado, porque sempre me impressionaram mortes inglórias, principalmente por arrastarem consigo boa dose de estupidez.
Pouco depois ri-me porque me apercebi como a ideia era perversa.
Finalmente, imaginei-me saboreando o gozo que deve dar ver-se o resultado de uma imaginação fértil.

   Nota: Tranquilizem-se os mais impressionáveis. É daqueles ímanes decorativos que se costumam pôr nas portas dos frigoríficos.
publicado por jdc às 12:00
link do post | comentar | favorito

Por favor não insista!

  

 

   Mabrouk Hidouri é o chefe do Sector 5 do Hotel Mehari, em Hammamet, uma conhecida estância balnear da Tunísia, a quem está acometida a supervisão do restaurante principal, do vasto bar adjacente e de mais duas outras estruturas de não menor importância certamente, mas das quais, por falha minha, não tomei a devida nota no meu bloco de apontamentos.
   Homem a rondar os sessenta, encorpado e de baixa estatura, orienta, por debaixo do seu sóbrio fato cinzento escuro, com discreta mas reconhecida eficiência, aquilo que sempre me pareceu ser a difícil tarefa de acomodar num curto lapso de tempo, o imenso mar de gente que, diariamente e em catadupas, acorre ao restaurante para comer o que ciclicamente o seu organismo exige e, o que é pior, esbanjar o que seria mais que suficiente para saciar a fome de quem, um pouco por toda a parte, morre diariamente por causa dela.
   Entro no enorme salão e vejo, umas quantas mesas à frente, umas costas esculturais daquela que me pareceu ser uma não menos escultural morena. De suspender, por tempo indeterminado, a respiração ao mais evangélico dos apóstolos. Sozinha, ainda por cima.
O diálogo decorre, naturalmente, em francês.
   — Bonjour, monsieur! — disse-me Mabrouk Hidouri ao interceptar-me, com a cordialidade a que já me habituara.
   Acerco-me um pouco mais e sussurro-lhe quase ao ouvido:
   — Não seria possível sentar-me hoje ao lado da senhora, ali naquela mesa? — perguntei-lhe eu, apontando discretamente com a cabeça a esbelta figura que me chamara de imediato a atenção, ao mesmo tempo que, sub-repticiamente, lhe fazia escorregar para as mãos uma nota de dez dinares.
   — Impossible, monsieur! Absolument impossible! — respondeu-me, afastando-se com educado desinteresse, mas com o recato próprio da sua inabalável sabedoria.
   — Vinte dinares? — questionei-o eu, insistente, seguindo-o.
   — Pas d’insistance, monsieur! Je vous en prie!
   — Quarenta dinares, está bem ? — volvia eu, puxando já da carteira.
   — Monsieur, s’il vous plait!... — pedia-me Hidouri, dando mostras de um certo desconforto, ao mesmo tempo que indicava uma mesa a outros dois comensais.
   — Sessenta e o nome! Quero saber o nome! — e a minha persistência, reconheço-o, começava a ser-lhe embaraçosa.
   — Regardez les apparences, cher monsieur! Les apparences…
   — Cem dinares ! — exclamei eu, numa derradeira tentativa. — É a minha última oferta, mas tem de ser já!
   Mabrouk Hidouri parou. Mirou-me de alto a baixo e, pela primeira vez, olhou-me nos olhos. Com uma voz de ponderada comiseração, disse-me:
   — Decididamente, eu desisto de tentar perceber os ocidentais. Se podem ter uma mulher por cinquenta dinares, porque é que teimam em oferecer cem por um homem? E ainda por cima com bigode, mon Dieu?

publicado por jdc às 09:46
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

Campeão no Triplo

  


   Nelson Évora venceu há pouco mais de uma hora a prova de triplo salto dos campeonatos de Osaka, tornando-se assim no novo campeão mundial da modalidade. Um resultado brilhante, um feito notável, que vem acrescentar um sorriso, mesmo que ligeiro, a esta apatia generalizada em que nos fizeram mergulhar.

publicado por jdc às 14:46
link do post | comentar | favorito

A Última Crónica

  

 

   Inicialmente prevista para hoje, a publicação de «Ai simplex!» -  a última crónica de Eduardo Prado Coelho -, acabou por ser antecipada pelo jornal «Público» para ontem, domingo.
   Transcrevo-a agora aqui, como homenagem ao homem, ao escritor e ensaista desaparecido sábado passado.

 

   Ai Simplex!

 

   Há momentos em que nos damos conta de que o Simplex, essa excelente e meritória iniciativa concebida por Maria Manuel Leitão Marques, está a funcionar, mas há outras em que choramos pela sua ausência, na expectativa de que um dia, não demasiado longínquo para a nossa esperança de vida, chegue. Dei-me conta disso ao acompanhar e mesmo participar no processo de legalização em Portugal de alguém que trabalha em minha casa há já algum tempo, e que, pelas suas capacidades profissionais, e sobretudo pelas suas qualidades humanas (como pude comprovar em período recente da minha existência) é pessoa de quem é fácil gostarmos: a brasileira Maria Nágila Bezerra, pessoa de permanente bom humor, que ri mesmo quando conta as mais terríveis tropelias a que possa ter sido sujeita.
   Sucede que há algumas semanas atrás começou a não aparecer ou a chegar mais tarde. Não se tratava, como vim a saber, de deambulações existenciais por montes e vales, nem mesmo de acessos místicos, mas antes de razões infelizmente mais prosaicas: ia ao SEF. Rapidamente descobri que se tratava do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. E pude compreender que o modo de funcionamento desta instituição nem sempre teria aquela perfeição que nós desejaríamos para um serviço público em área tão sensível como esta. Comprova-se que, se por vezes encontramos funcionários amáveis e colaborantes, desejosos de nos facilitar a vida, outras há em que nos confrontamos com pessoas stressadas e amarguradas pelo amarelo das paredes e os dramas conjugais para os quais quase nunca contribuímos mas de que pagamos as implacáveis consequências. Para ir ao SEF, a Nágila levantava-se antes de o Sol nascer para se deslocar de Alverca até Lisboa, onde, às portas do SEF, se organizava uma fila imensa de pessoas que esperavam cinco e seis horas para serem atendidas. E quem as atendia? Gente zangada com a vida que parecia ter uma especial volúpia em criar dificuldades: incapazes de explicarem tudo o que as pessoas precisavam de levar, incapazes de perceberem que as pessoas que atendiam tinham certas limitações na compreensão dos mecanismos burocráticos portugueses, descobriam sempre mais papéis que faltavam, o que obrigava a recomeçar tão exaltante peregrinação.
   Tenho à minha frente o papel que acabou, ao cabo de porfiados esforços, por lhe ser dado e que, num português em que “há menos” se escreve “à menos”, se intitula “Renovação de Autorização de Permanência Temporária para Trabalho subordinado”, esclarecendo-se, para consolo das nossas almas, que é ao abrigo do art. 217, n.º 1, da Lei 23/207 de 04 de Julho. Que é preciso? Um passaporte válido, um comprovativo das condições de alojamento (contrato ou atestado da Junta de Freguesia), declaração do IRS e cópia da nota de liquidação relativa ao ano fiscal anterior, contrato de trabalho e declaração actualizada da entidade patronal a atestar o vínculo laboral, declaração da Segurança Social regularizada a confirmar os descontos efectuados, requerimento em impresso de modelo próprio (www.sef.pt) e duas fotografias. Com todas estas tarefas, por sucessivos dias, a Nágila deixou de aparecer. Andava por Alverca e Lisboa à procura de papéis - belo ideal de vida. Única vantagem: aprimorei a minha capacidade de fazer camas. E vou melhorando noutras tarefas domésticas.

publicado por jdc às 10:24
link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Agosto de 2007

O Chiado a Arder

   

   Relembrar tragédias poderá não ser a forma mais poética de começar o dia, mas é certamente uma das maneiras mais simples para tentar evitar que se repitam.
   O grande incêndio do Chiado - a pior tragédia a abater-se sobre a baixa de Lisboa depois do terramoto de 1755 -, aconteceu a 25 de Agosto de 1988, fez ontem precisamente 19 anos.
   Eu estava lá nesse dia, e vivi de perto esses momentos de horror e de impotência.
publicado por jdc às 10:10
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Myanmar Livre

. As Palavras Escapam-se-me...

. O Suaíli

. Assim Não Quero Ser!

. A Poesia do Silêncio

. El Tigre

. Kopi Luwak

. Diálogos à solta (4)

. É agora, Zé!

. O Que é o TENORI-ON

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds