Domingo, 23 de Setembro de 2007

A Poesia do Silêncio

    

     O seu nome será sempre associado à mímica, da mesma forma que o imaginário das pessoas há muito liga, de forma subliminar, a palavra «kodak» à máquina fotográfica, «levis» às calças de ganga ou «bic» à esferográfica.
     Marcel Marceau há mais de cinquenta anos que passou a ser o padrão, a referência, numa arte em que foi indiscutivelmente o maior.
     Marcel Marceau, que abriu a mímica ao mundo, que lhe deu sentido estético, que trouxe poesia ao seu silêncio, morreu ontem em Paris, aos 84 anos de idade. E com ele Bip, a personagem por ele criada, que personifica a máscara da tristeza e em simultâneo da alegria que a natureza humana sempre carregou consigo.
publicado por jdc às 20:28
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Myanmar Livre

. As Palavras Escapam-se-me...

. O Suaíli

. Assim Não Quero Ser!

. A Poesia do Silêncio

. El Tigre

. Kopi Luwak

. Diálogos à solta (4)

. É agora, Zé!

. O Que é o TENORI-ON

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds