Quarta-feira, 8 de Agosto de 2007

TAP nunca mais!

  

   Eu, pelo menos, sempre o imaginei assim: zangado. Acordando mal disposto, rezingão, acrimonioso. Cuspindo fogo e impropérios. Tal e qual o Porto, o Futebol Clube do Porto.
   Temo ser injusto, mas é assim que eu sinto os dirigentes do clube das Antas, permanentemente com cara-de-pau, emproados, transpirando auto-suficiência balofa, de mal com Deus e o diabo, como se toda a gente lhes devesse dinheiro e ninguém lhes quisesse pagar.
   Mas depois deste desabafo vamos ao que interessa:
   O avião da TAP que transportou a equipa do FCP da Holanda - onde venceu o torneio de Roterdam - para o Porto, com escala anunciada em Lisboa, partiu de Amsterdam com um atraso de duas horas, facto que nestas coisas de tráfego aéreo toda a gente sabe que é o pão nosso de cada dia.
   De qualquer forma um atraso é sempre um atraso, e duas horas dão perfeitamente para perder alguma da serenidade em que são pródigos quer os dirigentes quer os jogadores de futebol.
   Chegado o avião a Lisboa, foram os passageiros informados de que seria necessário mudar de aeronave (o pessoal de bordo gosta muito destes termos) para rumar à Invicta.
Convenhamos que depois de duas horas para os procedimentos habituais do chek-in, do atraso de outras duas no aeroporto holandês e mais três horas e meia de voo, a cara do maralhal por mais este contratempo não deve ter sido da mais prazenteiras.
   Como se isso já não bastasse e para agravar a situação, verificou-se, depois dos passageiros acomodados em novo avião, que havia mais viajantes que lugares, tornando-se necessário parar um pouco para pensar e resolver mais este imbróglio.
   Está bom de ver que quem viria a pagar com as favas seriam, obviamente, os comissários de bordo, que devem tê-las ouvido bonitas. De murcounhe para cima.
   Ora quem não gostou nada dos impropérios, foi a chefe de cabina, a quem Antero Henrique, director da SAD portista, teria acusado de «estar com cara de parva», e, por via disso e por não ser de modas, se decidiu a chamar a polícia para, sustentada esta pela mão pesada da lei, identificar o desnorteado dirigente e impedi-lo de viajar.
   Solidária com o seu director, toda a equipa saiu de imediato do avião, para, numa decisão certamente ponderada, tomada em ambiente propício para o efeito e num clima calmo como se adivinha, ir toda a gente de autocarro para cima. Pelos vistos já ninguém estava com pressa.
   Mais ponderada contudo foi a decisão anunciada logo a seguir pelo clube: pela TAP, nunca mais!
   Estou mesmo a vê-los!...

publicado por jdc às 15:53
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Myanmar Livre

. As Palavras Escapam-se-me...

. O Suaíli

. Assim Não Quero Ser!

. A Poesia do Silêncio

. El Tigre

. Kopi Luwak

. Diálogos à solta (4)

. É agora, Zé!

. O Que é o TENORI-ON

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds