Sábado, 11 de Agosto de 2007

Tiramisù

 

   Não pretendo concorrer com os «sites» de culinária que proliferam por essa Internet fora, alguns deles de incomparável qualidade, mas não resisto à tentação de partilhar a receita de uma sobremesa genuinamente italiana, já experimentada por diversas vezes em minha casa e que, apesar de tão calórica, é de tal sublime sabor e de tal delicada e reconfortante textura, que não se esquece facilmente.

Ingredientes:

(para 6 pessoas)

250 gramas de mascarpone

5 gemas

100 de açúcar em pó 3 claras

50 gramas de açúcar em pó

12 palitos la reine

4 chávenas de café (cafeteira italiana)

1 cálice de rum escuro

½ colher de café de vanilina Cacau escuro

   Notas: O mascarpone é um queijo em creme disponibilizado em embalagens de 250 gramas e com venda já habitual na maioria dos supermercados; A vanilina empresta ao tiramisù um aroma e um sabor ainda mais aveludados. No caso de não encontrar, faça o preparado sem ela.

   Na batedeira, juntar as gemas, o açúcar e a vanilina e deixar bater durante 15 minutos. Juntar o mascarpone e, com a velocidade mais baixa, deixar incorporar bem até o preparado ficar completamente liso e sem grumos.

Preparar o café e deixar arrefecer.

   Bater as claras com a velocidade no máximo. Quando estiverem bastante subidas, e com a batedeira sempre no máximo, incorporar o açúcar às colheradas. Devem ficar bem rijas. Verter o preparado com o mascarpone numa tigela, regar com o rum aos poucos e, com uma colher de pau, envolver delicadamente.

   Quando o rum estiver todo incorporado, juntar as claras em castelo e, com movimentos de baixo para cima, envolver delicadamente até as claras desaparecerem por completo.

   Pôr o café num prato fundo e molhar um palito de cada vez, nem muito nem pouco. Ir colocando os palitos no fundo de um pirex rectangular ou de uma taça grande, por exemplo. Quando o fundo estiver coberto por uma camada de palitos, verter umas colheradas de creme, de modo a tapá-la completamente. Voltar a fazer uma outra camada de palitos, sempre molhados em café. Cobrir essa outra camada com o creme restante.

   Guardar no frigorífico a uma temperatura não superior a 5 graus.

   Pode ficar assim dois ou três dias à vontade, chegando mesmo a ser melhor, porque tem mais tempo para ganhar textura e os sabores misturarem-se.

   Quinze minutos antes de servir, polvilhar ligeiramente com cacau escuro com a ajuda de um passador de malha muito fina.

 

   (do livro «Os Doces da Io», de Io Apoloni, Publicações Dom Quixote)

publicado por jdc às 17:35
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

.Outubro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Myanmar Livre

. As Palavras Escapam-se-me...

. O Suaíli

. Assim Não Quero Ser!

. A Poesia do Silêncio

. El Tigre

. Kopi Luwak

. Diálogos à solta (4)

. É agora, Zé!

. O Que é o TENORI-ON

.arquivos

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds